Índice

Por uma política Ecossocialista

O combate às alterações climáticas é iminentemente político e um terreno fértil para a contestação e construção de alternativas. Este combate parte da imaginação e edificação de futuros anticapitalistas, feministas e antirracistas. 

Crónica 74
23 Junho 2022

As alterações climáticas são uma das manifestações mais perniciosas de uma crise ecológica planetária que ameaça a vida na Terra e acentua desigualdades geográficas, socioeconómicas e ambientais. Com efeito, as alterações climáticas afetam desproporcionalmente camadas da população estruturalmente empobrecidas e invisibilizadas, nomeadamente as mulheres, as crianças, os idosos, as pessoas racializadas, os povos indígenas, os migrantes e os refugiados.

Embora nos seja frequentemente apresentado como um mero exercício tecnocrático, o combate às alterações climáticas é eminentemente político, constituindo um terreno fértil para a contestação e construção de alternativas, desejavelmente à esquerda. Tal implica colocar a luta de classes, o género e a raça no centro do debate, revelando como as suas múltiplas intersecções vulnerabilizam determinadas comunidades num cenário de intensificação das alterações climáticas.

Torna-se imperativo reconhecer que o sistema capitalista explora, simultaneamente, os trabalhadores e a natureza, depende de trabalho reprodutivo não remunerado e assenta e perpetua as desigualdades de género e o racismo. O combate às alterações climáticas parte, pois, da imaginação e edificação de futuros anticapitalistas, feministas e antirracistas.

Uma proposta radical chega-nos do Ecossocialismo, uma corrente de pensamento e um movimento que procura aliar os ideais fundamentais do marxismo à ecologia crítica. O seu princípio basilar está contido na seguinte formulação: não pode haver uma verdadeira revolução ecológica que não seja socialista, e uma verdadeira revolução socialista que não seja ecológica.

O Ecossocialismo expõe uma contradição insanável: a expansão do modelo de produção e consumo dos países capitalistas avançados, alicerçado na acumulação de capital e lucro, no extrativismo e nos combustíveis fósseis, colide com os limites biogeofísicos do planeta, intensificando a crise ecológica e as desigualdades multidimensionais que dela decorrem.

O objetivo primordial do Ecossocialismo seria construir uma sociedade fundada na democracia, na igualdade e no respeito pelos limites ecológicos do planeta. Defende-se o controlo coletivo dos principais meios de (re)produção e o planeamento democrático da produção e do investimento. Os seus atores políticos centrais seriam as classes trabalhadoras urbanas e rurais e os seus sindicatos, numa aliança com protagonistas de outras lutas socioecológicas.

Aspetos como o papel do Estado, as escalas de operacionalização do planeamento democrático e a definição de um programa capaz de competir pelo poder, permanecem em disputa no campo Ecossocialista. Se o Ecossocialismo nos oferece um vislumbre de futuros mais democráticos, ecológicos e igualitários, os caminhos para lá chegar serão necessariamente distintos, já que os contextos nacionais, onde reside a soberania democrática, são também eles diversos.

Jornalismo independente e de confiança. É isso que o Setenta e Quatro quer levar até ao teu e-mail. Inscreve-te já! 

O Setenta e Quatro assegura a total confidencialidade e segurança dos teus dados, em estrito cumprimento do Regulamento Geral sobre a Proteção de Dados (RGPD). Garantimos que os mesmos não serão transmitidos a terceiros e que só serão mantidos enquanto o desejares. Podes solicitar a alteração dos teus dados ou a sua remoção integral a qualquer momento através do email [email protected]